sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Na defesa do serviço de urgências no Hospital Visconde de Salreu - HVS

 

Partido Socialista de Estarreja ao lado da Câmara Municipal!
Na passada sexta-feira, dia 30 de setembro, na reunião da Assembleia Municipal os elementos do Partido Socialista intervieram para expressarem o seu agrado pelo posicionamento do Sr. Presidente da Câmara em relação ao serviço de urgências do HVS. Nessa reunião quiseram lembrar a responsabilidade máxima do presidente da câmara no desenrolar deste assunto, à semelhança do que aconteceu em S. João da Madeira.

O Partido Socialista de Estarreja está assim solidário com todas as diligências que possam ser tomadas na defesa do HVS, face à importância que este hospital tem para a comunidade estarrejense, assinalando que estará ao lado do presidente da câmara para o apoiar mas também para lhe pedir contas.

O Partido Socialista de Estarreja sempre se posicionou contra o desmantelamento dos serviços do Hospital Visconde de Salreu (HVS) e, nomeadamente em setembro de 2006, contra o encerramento do Serviço de Urgências. Recorde-se que em 2007, durante um governo socialista, foi assinado um protocolo que previa a requalificação do HVS. Na base esteve um documento de trabalho elaborado pelo PS Estarreja e discutido nesta Assembleia Municipal. Ainda que existisse quem defendesse a construção do hospital Ria Norte para servir os concelhos de Ovar, Estarreja e Murtosa, é pelo trabalho da então deputada do PS Marisa Macedo que se propõe a construção de um novo hospital em Estarreja, o que foi anunciado pelo governo em 2009. Depois de muitas trapalhadas do anterior executivo municipal, do qual o Sr. Presidente fazia já parte, eis que muda o governo (2011) e deixa cair o projeto do novo hospital. Ainda nesse ano, no mês de dezembro, o PS Estarreja apresenta na Assembleia Municipal uma moção solicitando o máximo envolvimento e empenho do executivo municipal, no sentido de tentar reverter a situação do hospital. Exigia-se a manutenção das valências que existiam e que estavam previstas exigia-se que o governo honrasse o compromisso com vista à construção do novo hospital - uma vez que a coligação que governava o país era a mesma coligação que governava os destinos do nosso concelho. Nessa assembleia a coligação PSD/CDS-PP votou contra a moção.

Depois de um percurso conturbado, a história do funcionamento do HVS – que até chegou ao grau de excelência no serviço de cirurgia de ambulatório (abril de 2013) – ganha um outro sentido. Na privacidade da CIRA é apresentado um Plano Estratégico que coloca definitivamente em causa a sobrevivência do HVS, evocando a necessidade de existir racionalização financeira. Durante 2013, o PS Estarreja pede duas reuniões ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga, sem que tivesse sido atendido qualquer dos pedidos.

Em plena campanha eleitoral, o atual Presidente da Câmara entrega um plano para o HVS (sem que ninguém tivesse dele conhecimento) e em 2014 o HVS passa a estar reduzido à consulta externa, apenas em algumas (poucas) valências. É por esta altura que a coligação PSD/CDS-PP elogia a vinda da Unidade de Cuidados Paliativos para Estarreja, conformando-se com este triste fado. Ainda em 2014, o PS vai-se insurgindo contra tanta passividade local por parte do Sr. Presidente e em outubro desse ano propõe na Assembleia Municipal a aprovação de uma moção conjunta a favor do HVS. Em 2015 o assunto volta a esta Assembleia Municipal e praticamente tudo fica na mesma.

Pesem embora os factos apresentados, o PS de Estarreja vê com muito agrado o atual posicionamento do Sr. Presidente da Câmara que, em comunicado oficial, informou a população de que solicitou uma audiência ao governo para reivindicar a reabertura do Serviço de Urgências do Hospital Visconde de Salreu.

Assim, considerando tudo o que o Partido Socialista tem vindo a defender, não podemos deixar de estar solidários com todas as diligências que possam ser tomadas no sentido de reabrir o Serviço de Urgências do HVS. Estaremos ao lado do presidente da câmara para o apoiar mas também para lhe pedir contas, face à importância que este assunto tem para a comunidade estarrejense.