segunda-feira, 2 de maio de 2011

Relatório de contas de 2010 revela o contrário daquilo que é
publicitado pelo actual poder camarário
CÂMARA DE ESTARREJA TEVE UM RESULTADO NEGATIVO DE 940 MIL EUROS
E A DERRAMA REGISTOU O VALOR MAIS BAIXO DOS ÚLTIMOS 15 ANOS


O resultado líquido operacional do exercício de 2010 da Câmara Municipal de Estarreja teve, pela primeira vez desde a entrada em vigor do POCAL, um valor negativo de 938.508€, ou seja, fechou 2010 com um prejuízo de cerca de 940 mil €, apesar de, em 2010, a CME ter recebido:
- Cerca de 3,3 milhões de euros da ADRA, SA, pelo direito de exploração do Sistema de Abastecimento de Água e Saneamento do concelho;
- 5,4 milhões de euros em transferências do Estado;
- 2,9 milhões de euros de Fundos Comunitários (QREN);
- 3 milhões de euros em impostos. Só o IMI representou 1,9 milhões de euros (63%)!
- Beneficiou de uma linha de financiamento 2,66 milhões de euros do Estado, com juros de 0 e 1% ,para a regularização de dívidas a terceiros (PREDE).

Apesar do Estado ter pago o que se comprometeu, de os Estarrejenses terem contribuído muito com o Imposto Municipal sobre Imóveis e do “negócio” da ADRA ter enchido os cofres da Câmara - estando a pesada factura a chegar mensalmente a casa dos estarrejenses – a Câmara “consegue” ter um prejuízo de 940 mil euros!
Olhamos para Estarreja e perguntamos: como é possível numa terra onde nada acontece, gastar-se tanto dinheiro?

2010 também será lembrado por alguns indicadores no mínimo preocupantes:
- A Derrama rendeu 268 mil €, que é o valor mais baixo desde 1996, já lá vão 15 anos!
- O imposto sobre Loteamentos e Obras rendeu 23 mi € , (menos 78% do que em 2009), o que mostra o marasmo em que caímos.
- As despesas de funcionamento, despesas necessárias para assegurar funcionamento da Autarquia, cresceram 12% relativamente a 2009, facto que contraria a tão propalada eficiência e contenção de custos do executivo camarário.
- As vendas e Prestação de Serviços da Autarquia caíram 1,6 milhões de € face a 2009, quebra de 50%, que já revela os efeitos negativos do contrato de gestão que conferiu à ADRA o direito de exploração do Sistema de abastecimento de água e saneamento.

Em 2011 esta quebra ainda será maior – será de cerca de 2,7 milhões de € – que fará com que as receitas correntes não sejam suficientes para suportar as despesas correntes, ou seja, a Autarquia não gerará receitas próprias que suportem o seu funcionamento no dia a dia!
Apesar disso, a Câmara continua a contratar pessoas, muitas delas com a particularidade de estarem ligadas ao PSD.

Por estas razões, os vereadores do PS na Câmara e os eleitos pelo PS na Assembleia Municipal votaram contra as Contas de 2010.