sexta-feira, 27 de março de 2009

OPINIÃO
Quem disse o quê sobre o Hospital

Continuo e continuarei a defender junto do Governo um hospital novo para Estarreja, com todo o meu empenho. A partir do momento em que o Eng. Mário Simão, líder do CDS/PP, prometeu no Jornal de Estarreja de 19 de Setembro último, (que guardo religiosamente) propor-me um voto de louvor e a Medalha de Mérito Municipal caso conseguisse o hospital, que jamais parei. Vi, naquelas palavras, a oportunidade da medalha ao fundo do túnel! Foi uma espécie de “doping”…
Com este intróito não pretendo responder ao último texto assinado pelo José Matos, porque não o entendo como um cidadão no livre exercício do seu direito de opinião e que acredite assim tanto em Estarreja, já que até se encontra no rol dos muitos que, ultimamente, foram viver para outros concelhos. Pretendo sim responder ao Dr. José Eduardo de Matos, que se vai servindo da generosidade do José Matos, para me atacar.
O Dr. José Eduardo Matos nunca defendeu um novo Hospital para Estarreja. Quando ouviu a proposta do PS apresentada por escrito em Setembro de 2008, andou às voltas com as palavras para tentar “não ficar mal na fotografia”.
Quando cá esteve o Secretário de Estado da Saúde, Dr. Francisco Ramos, à frente dele e de todos os presentes, conseguiu-se perceber no habitual discurso enrolado do Dr. José Eduardo Matos, que o que queria era não perder a oportunidade do Estado investir 2 milhões de euros no Hospital do Visconde de Salreu. Aliás, o solícito José Matos encarregou-se de escrever isso mesmo no seu blogue. E o Dr. José Eduardo Matos afirmou o que afirmou em frente ao Secretário de Estado, porque percebeu que essa era a opinião do próprio Governo. Perante a opinião do Governo, o Presidente da Câmara, em vez de rebater e apresentar argumentos em defesa de Estarreja, conformou-se. Como sempre.
Eu, como sempre afirmei oralmente e por escrito, entendo que pagar 2 milhões de euros para construir uma espécie de pombal por cima do actual Hospital, não é investir. Para mim, é desperdiçar 2 milhões de euros. Para mim é destruir um edifício que deve ser mantido e recuperado na sua traça original. Para mim é dar uma enorme machadada nos serviços prestados pelo hospital, porque é impensável manter cirurgias e prestar cuidados médicos durante o muito longo tempo que as obras demorariam a realizar. Para mim, é desperdiçar dinheiro público fazer tal obra, num edifício pelo qual o Estado paga cerca de 7500 euros mensais de renda à Santa Casa da Misericórdia.
Na minha opinião é um erro enorme a construção de um “paralelepípedo” por cima do HVS. E fiz saber a minha opinião ao Governo em todas as oportunidades que tenho tido, com a ajuda preciosa da actual administração do Hospital Visconde de Salreu, que não se tem poupado a esforços nesta matéria. O Dr. José Eduardo não defendeu o novo Hospital porque tem medo de perder. E é incapaz de liderar um projecto novo. Quando muito vai atrás… como sempre tem acontecido nestes seus dois mandatos.
O Dr. José Eduardo Matos, entretanto, como nunca acreditou, nem defendeu um hospital novo para Estarreja, juntou-se ao Presidente da Câmara de Ovar, para defender a construção de um hospital a que chamam “Hospital Ria Norte”, que servisse os concelhos de Ovar, Estarreja e Murtosa, sendo que o Presidente de Ovar ofereceu o hospital daquele concelho para ampliação. O Dr. José Eduardo Matos, com a sua habitual perspicácia de que o actual estado de Estarreja é exemplo, nem consegue perceber que esse tal hospital só serve os interesses de Ovar e que implica o encerramento definitivo do Hospital Visconde de Salreu.
Eu sei que ele e o seu fiel assistente querem que a população se esqueça que defenderam Ovar como solução, mas isto foi capa do Jornal de Estarreja de 06 de Fevereiro último, com direito a desenvolvimento de notícia na página 6 dessa edição. Foi só há mês e meio… As pessoas lembram-se.
Por mim, continuarei a correr para a meta. Sei que no fim, em caso de vitória, vai lá estar o Eng. Mário Simão com o voto de louvor e a Medalha de Mérito Municipal.
Conto que seja um homem de palavra, como penso que é!

Estarreja, 22 de Março de 2009

Marisa Macedo
Deputada à Assembleia da República

e Presidente Comissão Política PS – Estarreja