quinta-feira, 8 de maio de 2008

NOTA DE IMPRENSA
Tomada de posição sobre o TGV
na sequência da Reunião da Assembleia Municipal de 7-5-08

1º O traçado da linha do TGV Lisboa/Porto, em Estarreja, vai trazer inúmeros prejuízos para o concelho, de diversa ordem e dificilmente calculáveis.

2º A opção estratégica do Governo pela construção da linha TGV Lisboa/Porto é, hoje, um dado adquirido.

3º Por isso, nesta altura, qualquer posição contra ou a favor dessa opção estratégica do Governo já vem fora de tempo.

4º Essa é a razão pela qual o PS entende que a posição de Estarreja não deverá ser a de limitar-se a manifestar uma posição contra, como vem fazendo o Senhor Presidente da Câmara e a Coligação PSD/CDS-PP.

5º Ser simplesmente contra é fácil, mas não evita, nem minimiza, os impactos que a futura e inevitável passagem do TGV terá em Estarreja. Esta terra não pode, face aos atentados ao seus interesses e perdas a que tem assistido, continuar a ver o Senhor Presidente da Câmara assumir meras posições de retórica populista, como no caso do o IC1, do IKEA, do roubo das areias do Parque ou agora do TGV…

6º Assim, o PS defende que, nesta fase, em que ainda muita coisa está por decidir quanto à localização do traçado da via férrea, o Governo deve ser confrontado com uma posição forte que reflicta o que Estarreja pretende e quais as soluções que não só minimizem os danos, mas que também compensem verdadeiramente os prejuízos.

7º O PS defende que se deve ponderar a construção da futura estação do TGV de Aveiro – que ainda não está decidida definitivamente -, em território de Estarreja, ou o mais perto possível de Estarreja. E esta é uma posição clara que não significa que o PS prefira o traçado “mais gravoso” a “poente da AutoEstrada”, como o PSD insiste em fazer crer.
Colocamos a questão porque a localização ainda não está decidida, e a história diz-nos que a existência de estações ferroviárias sempre foi um factor de desenvolvimento dos locais onde foram sendo construídas. Aveiro e Albergaria-a-Velha parece já terem percebido isso mesmo…

8º O PS Estarreja entende que, se a “passagem” do TGV traz inúmeros prejuízos, a “paragem” do TGV (com o “encurtar” de distâncias com Lisboa e Porto e com a ligação à futura linha de ligação a Salamanca) pode constituir uma excelente oportunidade de desenvolvimento para o município.

9º O PS considera que o Senhor Presidente da Câmara - apesar de ser contra o TGV por si só - deverá dizer como pensa defender os interesses de Estarreja nesta situação, porque foi para isso que foi eleito com maioria absoluta.

10º Não estamos na hora de “chorar desgraça”. Estamos na hora de agir. É preciso indicar caminhos, com firmeza, decisão e liderança, características que o Senhor Presidente se tem encarregado de nos demonstrar que não tem e que muito nos preocupa.

11º Ao mesmo tempo, o PS manifesta o seu contentamento pelo facto do seu primeiro objectivo ter sido atingido: trazer a público esta discussão. Se não fosse isto, estamos certos, a esta hora ainda não se conheceria – como em tantos outros casos – uma palavra do Senhor Presidente da Câmara sobre o assunto.
Estarreja, 8 de Maio de 2008
A Presidente da Comissão Política do PS Estarreja
Marisa Macedo